A Terra está a aproximar-se de Marte

Poderá agora perguntar-se que consequências observamos desta aproximação da Terra ao "planeta vermelho". Ao leitor que costume olhar o céu sem qualquer ajuda, isto é binóculo nem telescópio, dir-se-á que Marte é como que uma estrela de brilho (já) razoável e de cor avermelhada que nasce um pouco antes da meia noite. A essa hora avista-se muito perto do horizonte,a Este, e entre asconstelações do Leão e da Virgem. Se acaso tiver dificuldade em localizar as citadas constelações, procure identificar a Ursa Maior que, nesse momento, se avista no quadrante de Nordeste e ainda não muito elevada. Tomando como referência as três estrelas que constituem a "cauda" da Ursa (e que se desenham um arco) seguido a curvatura que elas sugerem -para o lado do horizonte a Sudeste - passa-se primeiramente por uma estrela brilhante e avermelhada, chegando-se depois a uma outra de cor branca. A primeira é Arcturo, do Boleiro, e a segunda tem o nome de Espiga, da Virgem. Uma vez identificada a Espiga, o outro astro de brilho um pouco superior e localizado à sua direita, tem cor avermelhada e brilha ainda mais que Espiga. Trata-se de Marte e o leitor que o tenha identificado há um ou dois meses notará agora que está mais brilhante e, como é obvio, o seu brilho continuará a aumentar nos próximos sessenta dias, dado que estamos a aproximar-nos dele.

Máximo Ferreira in Público 17 de Janeiro de 1997
Voltar